PERGUNTA DO LEITOR
É pecado o cristão comemorar o natal no dia 25 de dezembro, sabendo que esta data possui origem pagã, segundo alguns teólogos?

RESPOSTA DO PORTAL BIBLICAMENTE FALANDO!
Não existe mandamento bíblico para se celebrar o natal, como também não há mandamento para não o celebrar. Cada pessoa deve examinar com qual sentido se celebra ou não alguma coisa. Não se pode colocar tropeço algum para outros irmãos em Cristo conforme o texto de Romanos 14. (Leia todo o capítulo. Tudo ficará bastante claro neste texto bíblico - É importante conhecermos a Bíblia Sagrada como um todo, para não sermos presa fácil dos defensores de “tendências religiosas” fantasiadas de verdade absoluta).

https://www.bibliaonline.com.br/acf/rm/14 (Link do texto bíblico citado).

Lendo o texto você entenderá que não peca quem o comemora e também não peca quem o deixar de comemorar e entenderá os motivos óbvios para as coisas serem desta forma.

Alguém que não foi convencido com esta leitura perguntará sobre as idolatrias inerentes ao dia 25 de dezembro, que na realidade não é a data real do nascimento de Cristo e ainda trará vários argumentos sobre a mitologia nórdica e outras coisas do gênero para afirmar que a tal data é um laço do adversário para “pegar os crentes na curva”. Obviamente este leitor está (até certo ponto) correto em suas objeções, sobretudo no que tange ao dados históricos e precisa ser respondido gentilmente e fraternalmente com a mesma dignidade dada a todo e qualquer leitor deste blog. Sendo assim deixaremos o link para o texto que responde estas e outras possíveis indagações do leitor, por meio de um artigo do Pr Ciro Zibordi (Pastor da Assembleia de Deus e escritor da CPAD). Confira: https://www.obreiros.com.br/2015/12/10-razoes-falsas-por-que-os-cristaos.html

Leia também como os povos podem visualizar por ângulos completamente distintos uma mesma celebração. Veja como o natal era comemorado por cristãos nos países comunistas e o que a data sempre representou para eles em tempos de perseguição religiosa.
O NATAL SOVIÉTICO E OS CRENTES OCIDENTAIS - (PARTE 2)

A TRADIÇÃO OU A BÍBLIA SAGRADA?
QUANTOS MAGOS LEVARAM PRESENTES PARA JESUS?

Finalmente entenda o sentido do natal na história da redenção do homem.

“Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus” - Romanos 14:6

Existem três tipos de natal e cada pessoa deve escolher qual deles irá viver, uma vez que ninguém morre no dia 24 e ressuscita no dia 26 de dezembro para estar fora da data, assim cada homem ou mulher poderá dedicar o dia 25 a Deus ou a Satanás!

1 - Natal genuinamente cristão - Dia de reflexão e evangelismo de familiares e amigos. Meditação sobre o presente de Deus dado aos homens. Deus conosco!
2 - Natal comercial - Investido de consumismo e símbolos totalmente desconexos com a realidade cristã genuína.
3 - Natal pagão - Investido de bebedeiras, glutonaria, mundanismo, prostituição, uma festa carnal.


Escolha o seu!



PERGUNTA DO LEITOR
Prezados Irmãos, a paz do Senhor Jesus!
Gostaria de saber uma coisa com base e bíblica (como vocês fazem) e não em teorias, como estou acostumado a ouvir.
1 - Um servo de Deus pode beber vinho ou é pecado?
2 - Por que muitos não concordam com as proibições de algumas denominações evangélicas e por quais motivos em algumas igrejas evangélicas o consumo moderado de vinho é liberado?

RESPOSTA DO PORTAL BIBLICAMENTE FALANDO!
A princípio é necessário deixar claro que todos os colaboradores do nosso grupo de estudos bíblicos são abstêmios (Isto é, não consomem nenhum tipo de bebida alcoólica).

Lutero e Calvino bebiam cerveja e vinho, bem como uma grande parcela de crentes do mundo reformado. Quanto ao que os outros evangélicos fazem, não é da nossa conta, todavia não apreciamos muito as tradições dos homens, mas amamos o poder do Espírito Santo e cremos que existem certas evidências que nos levam a crer que homens alcançados por Cristo mudam de vida e abandonam os vícios dos homens mundanos, inclusive a embriaguez. Sabemos que existem grupos evangélicos que servem vinho alcoólico na santa ceia e não nos cabe julgar o mérito desta questão, pois ela é muito mais profunda e complexa do que parece à primeira vista.

Para responder o questionamento proposto apresentaremos um texto que expressa exatamente o que vivemos e a escolha de vida que fizemos no tocante a esta questão em particular. O texto explica os motivos pelos quais cremos que todo tipo de bebida alcoólica seja imprópria para o consumo do cristão - com base bíblica, sem legalismo e com equilíbrio. Siga o link.




PERGUNTA DO LEITOR
Considerando que o unicórnio é um animal mitológico, sendo citado algumas vezes na bíblia, dentre elas em Isaias 34:7 (falando de juízo e maldição) e Salmo 92:10 (comparando a força do servo de Deus com a força do referido animal), que tipo de animal  seria o unicórnio? Ele é um símbolo do bem ou do mal?

RESPOSTA DO PORTAL BIBLICAMENTE FALANDO!
Responderemos esta questão no arquivo formulado para este fim. Siga o link abaixo:



PERGUNTA DO LEITOR
Gostaria de tirar uma duvida sobre qual a recomendação de Deus para o tipo de mensagem que um pregador deve levar para a igreja, o que não pode faltar na mensagem?

RESPOSTA DO PORTAL BIBLICAMENTE FALANDO!
“Inclinai os ouvidos, ó céus, e falarei; e ouça a terra as palavras da minha boca. Goteje a minha doutrina como a chuva, destile a minha palavra como o orvalho, como chuvisco sobre a erva e como gotas de água sobre a relva. Porque apregoarei o nome do Senhor; engrandecei a nosso Deus. Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos justos são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é” - Deuteronômio 32:1-4

A mensagem precisa ter embasamento bíblico e não pode contradizer nenhuma das doutrinas básicas que emergem da palavra de Deus. A mensagem ou sermão (como alguns costumam chamar) deve apontar para o plano eterno de Deus.

Mas vejamos o que tem sido comum atualmente:
“Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas. Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério” - 2 Timóteo 4:3-5

Muitos pregadores estão substituindo o apelo genuíno do evangelho por novas revelações. Pisam a letra do texto sagrado deixando de obedecê-la. Não leram o texto bíblico e andam em busca de novas revelações e milagres. Não são capazes de perceber pela própria Bíblia Sagrada que João Batista, o maior profeta da história do povo de Deus (segundo as palavras de Jesus) não operou nenhum sinal. O povo está mal acostumado, andando atrás de sinais e milagres. Esquece-se que o maior milagre que existe é a salvação da alma. Tem sido comum os pregadores buscarem as operações sobrenaturais e visíveis de Deus, enquanto ignoram a simplicidade do evangelho. Lucas não teve nenhuma visão (dom espiritual), mas escreveu dois livros maravilhosos (Lucas e Atos dos Apóstolos) por meio da pesquisa e do labor de um destro escritor. João escreveu o evangelho e o apocalipse tendo visões. Tanto os livros escritos por João, quanto àqueles escritos por Lucas são maravilhosos e nenhum servo de Deus ousaria arrancá-los da Bíblia Sagrada. O grande perigo atual são as ênfases que cada grupo religioso tem dado ao seu estilo particular de cristianismo a ponto de pisotear o texto sagrado, dizendo que “bíblia na letra não presta para nada”. O meu Jesus gostava de citar as “escrituras na letra” e depois aplicava o profético nela.

Deus sempre operou sinais e maravilhas e vai operar sempre, mas isto pertence à economia DELE. O problema está no ato de incutir na mente do povo que se não houver sinais e maravilhas, Deus não está presente. Isto é um erro. A Bíblia Sagrada não corrobora com este ensino. Certa vez Lutero disse o seguinte “Qualquer ensinamento que não se enquadre nas escrituras deve ser rejeitado, mesmo que faça chover milagres todos os dias.” Existem muitos fãs de Lutero que o enaltecem no púlpito, mas nunca se deram conta deste sábio conselho.



Um ministro do evangelho precisa pregar a palavra de modo a apresentar Cristo como o centro do projeto de Deus. Ele precisa ser um atalaia, um anunciador de boas novas. Precisa mostrar ao pecador a sua ruína e apontar o caminho da salvação. Na pregação expositiva devem ficar claras - a miséria do Homem e a graça de Deus - a misericórdia e o juízo – o apelo para a salvação. O pecador precisa ser exortado ao arrependimento para contemplar a santidade de Deus.

Deve haver um equilíbrio entre a letra escrita e o alegorismo utilizado (não é pecado usar figuras e tipologias). Não existe revelação flutuante e Deus nunca contradiz aquilo que outrora ELE falou. A revelação nunca anulou a letra.

“Portanto ninguém me perturbe, pois trago pelo corpo as marcas de Cristo” (Gálatas 6:17). O pregador precisa trazer consigo as marcas de Cristo!

Clique na imagem para ampliar
PERGUNTA DO LEITOR
Certo pregador afirmou que os dez mandamentos existiam no Éden. Esta afirmação possui base bíblica?

RESPOSTA DO PORTAL BIBLICAMENTE FALANDO!
Em primeiro lugar devemos respeitar as pessoas e a fé delas, todavia não podemos em hipótese alguma, faltar com a verdade bíblica dos fatos.
Os ADVENTISTAS DO SÉTIMO DIA afirmam que os dez mandamentos já existiam no Éden. Fazem isto para forçar a guarda do sábado.
Como é que Deus iria dar um mandamento para que Adão e Eva honrassem o pai e a mãe? (Adão e Eva não tinham pais).
Não havia possibilidades matemáticas para Adão e Eva adulterarem, visto que não havia outros homens e outras mulheres no jardim. A maldade veio depois do pecado e os mandamentos também.
Como Deus os mandaria “não cobiçar” se todas as coisas e o jardim foram entregues a eles?
FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA PARA REJEITAR ESTA TEORIA
No Éden só havia um mandamento: “Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás” - Gênesis 2:17
“Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo” - João 1:17


Clique na imagem para ampliar

PERGUNTA DO LEITOR
Como conciliar o texto do filho pródigo em LUCAS 15:11-32, muito usado por alguns grupos evangélicos para receberem de volta os desviados dos caminhos do Senhor e o texto de HEBREUS 6:4-8, que alguns grupos evangélicos alegam ser a prova irrefutável que o salvo pode apostatar, enquanto outros defendem que o “CAÍDO” nunca pode se levantar?

Este texto prova que o crente pode perder a salvação e que pode entrar em apostasia? Há base bíblica para afirmarmos isto?

RESPOSTA DO PORTAL BIBLICAMENTE FALANDO!
Infelizmente existem muitos ministros evangélicos arrancando a esperança da glória eterna de muitos corações. Fugiram da simplicidade do evangelho (Vide 2 coríntios 11:3) pregado por Cristo e pelos apóstolos e defendem que o verdadeiro evangelho pertence a uma elite eclesiástica, cujos membros foram escolhidos (ou eleitos) a dedo em detrimento dos outros. O “evangelho" deles dá a entender que a separação do joio e do trigo não precisará ser feita quando Cristo voltar. Deus já elegeu cada ramo de trigo. Segundo este evangelho, o joio são aqueles que Deus não quis eleger, os quais não terão possibilidade de serem trigo apenas porque Deus quis condená-los para louvor da sua glória. Esse tipo de pregador costuma confundir a soberania de Deus com a tirania de alguns ditadores e coronéis do sertão brasileiro. Para crer na pregação deles é necessário crer que DEUS FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS. Esta ideologia religiosa é fruto do entendimento equivocado da palavra de Deus associada a uma FILOSOFIA HUMANA fantasiada de evangelho!

Há um texto em um dos nossos blogs que responde bem à sua primeira pergunta.


Está bastante nítido nas escrituras que o cristão pode apostatar-se da fé e perder a salvação. Confira um texto escrito por John Wesley um servo fiel de Deus que evangelizou toda a Inglaterra, fez missões nos EUA, lutou pela causa abolicionista e fundou a Igreja Metodista.